Nos últimos tempos, comecei a ler muito, sobre empreendedorismo, carreira, desenvolvimento, programação e muitos outros assuntos que me interessam. E isso tem me despertado para o quão importante é escrever.

Sempre gostei de escrever mas, não tenho conseguido me dedicar o quanto gostaria. Eu tinha um bloqueio, das diversas tentativas, pensava que não tinha muito o que falar sobre tais assuntos. Pelo menos nada que fosse tão interessante para que alguém quisesse ler. Mesmo assim, comecei este blog e tenho recebido alguns feedbacks da minha microscópica audiência. :)

Decidi incluir a escrita como parte da minha rotina. Não foi nada fácil e, continua não sendo, mas percebi que ler e escrever tem me tornado um profissional melhor, mostrando diferentes pontos de vista e fazendo com que tenha minhas próprias ideias e conclusões.

Nesse mundo superpopulado de informações, sentimo-nos pressionados a estar por dentro das novidades, principalmente na área de tecnologia. O importante aqui é saber escolher de forma consciente quais informações você quer consumir. Faça escolhas e dedique tempo à elas. Não abra 10 abas no navegador ou ande sem prestar atenção. Aqui também é importante dar tempo para digerir o que consumiu ao invés de estar correndo atrás da próxima novidade.

Outra grande dificuldade era a de organizar as ideias, colocá-las no papel. Elas vinham e iam e parecia não ter tempo para dar atenção à elas. Passei então a organizar as ideias em anotações, mesmo que anotações em branco. Para mim, isso fez a diferença, pois mesmo que no momento em que surgiam, eu não soubesse o que escrever, elas estavam lá, para que quando aparecesse a inspiração eu saia escrevendo.

A pesquisa, outro item importantíssimo, incluída no processo de escrita, trouxe à tona a resposta para “Será que eu tenho conhecimento suficiente para falar sobre isso?”. A resposta normalmente é “Não”. Isso não é um problema, posso escrever o que sei e, se no meio da escrita encontrar lacunas, basta pesquisar. O propósito mudou, a questão não é mais “tenho que estudar isso” e sim “preciso descobrir essa informação para escrever esse artigo”. Parece bem mais assertivo, não?

Se tem algo bom e poderoso no ato de escrever, é a capacidade de te dar liberdade. Comecei este artigo depois de um dia de trabalho, sentado na cama, enquanto ouvia uma rádio online, livre das restrições de horário ou local de trabalho. Poucos minutos e já havia escrito seis parágrafos. Mais alguns minutos para uma pesquisa e revisão e está pronto.

Uma mente livre é mais criativa, tem mais espaço para novos conceitos e tem asas para voar por novas rotas.

Liberdade também fará você sair da zona de conforto. Claro, você não precisa se jogar desesperadamente para fora da sua zona de conforto, isso vai acabar te consumindo e fará você sofrer com ansiedade e stress. A dica aqui é caminhe pelo limite e avance de forma gradual.

O ato de escrever é transformador e faz mais bem para quem escreve do que para quem lê. Escrever tem me ajudado a evoluir e trazer mais clareza para muitas ideias que estavam incubadas.

Te inspirei? O que você acha de começar a escrever?